Páginas

Ontem foi dia de cinema, baby! - Cidade de papel

  Hey! 
  Fui assistir Cidades de papel e gostaria de compartilhar a minha opinião com vocês.
 Primeiramente, devo dizer que fiquei surpresa por não estar vendo tanto comentário como aconteceu em ACEDE. Fiquei até um pouco receosa.
 Comprei o ingresso, quando entrei na sala com as minhas amigas e... estava praticamente vazia! Fiquei pensando "Mas o que aconteceu?!" porque... CARAMBA! Eu li o livro, vi o trailer e amei os dois, então por que parece que não chamou tanta atenção assim? Pelo menos, não que eu tenha visto.

 Não sei o que houve, mas sei que amei o filme.

 Para quem não conhece a história, segue a sinopse:

A história é centrada em Quentin Jacobsen (Nat Wolff) e sua enigmática vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman (Cara Delevingne). Ele nutre uma paixão platônica por ela. E não pensa duas vezes quando a menina invade seu quarto propondo que ele participe de um engenhoso plano de vingança. Mas, depois da noite de aventura, Margo desaparece – não sem deixar pistas sobre o seu paradeiro.

Fonte: http://www.adorocinema.com/filmes/filme-227902/






 O filme é engraçado, tem um toque de aventura e como todas as histórias do John Green, faz pensar.
"É preciso se perder para se encontrar."
 Margo é apenas uma garota, mas uma garota misteriosa. E seu mistério acaba fazendo com que ela seja vista pelo mundo como Margo Roth Spiegelman, uma garota que respira aventura. Que pode fazer o que quiser, onde quiser e quando quiser. A imagem que ela passa é de que pode tudo por ser inabalável e alcançável. Mas como Margo se vê? 
 Quentin foi próximo a Margo quando eram crianças, mas isso mudou depois de um episódio no parque. Ele não sabe o que exatamente mudou, mas depois disso ele passa os anos seguintes a espera de que ela fale com ele novamente, ou que bata a sua porta.
 Ele a observa de longe na escola, da janela de seu quarto a espera de apenas mais uma chance de se tornar perto. Mesmo com toda essa espera, ele não deixa de ficar surpreso quando em uma noite qualquer Margo entra pela sua janela. Ela precisa de um piloto de fuga para realizar 9 tarefas. E é aí que a aventura começa.
 Quentin vive a melhor noite de sua vida e no dia seguinte... Nada. Margo sumiu e ele embarca em uma saga com Ben e Radar - seus dois melhores amigos - para seguir as pistas que levam até Margo. Afinal, se ela deixou pista, ela quer se encontrada, não é?
 Nessa missão temos uma noção da dimensão do valor do amizade, do amor e de que as vezes, sair da zona de conforto pode ser gratificante.
 No meio do filme teve uma participação especial e rápida de um dos atores de ACEDE e pelo que notei, todo mundo ficou bem surpreso. Um filme que te faz rir, e (para quem já saiu) voltar aos tempos de escola.  
“Na minha opinião, todo mundo tem seu milagre. Por exemplo, muito provavelmente eu nunca vou ser atingido por um raio , nem ganhar um prêmio Nobel, nem virar ditador de uma pequena ilha do Pacífico, nem ter um câncer terminal de ouvido, nem sofrer combustão espontânea. Mas, se você levar em conta todos os eventos improváveis, é possível que pelo menos um deles vá acontecer a cada um de nós.”
 ATENÇÃO: Esse filme faz você ficar com a música de abertura de Pokemón na cabeça. HAHAHA

 Pokemón, temos que pegar, isso eu sei, pegá-los eu tentarei... ♫





2 comentários :

  1. Ainda não li o livro nem fui conferir o filme, apesar de estar curiosíssima! De fato, do John Green só li O Teorema Katherine e gostei muito da escrita, da trama, sem falar que o autor é um fofo. Minha meta deste ano, antes mesmo de ler Cidades de Papel, é ler A Culpa é das Estrelas (vi o filme e amei!). E Cidades de Papel, pretendo assistir assim que der, mesmo antes de ler. ^^

    Beijos, Livro Lab

    ResponderExcluir
  2. Oi, Aline!
    A culpa é das estrelas é meu livro favorito do John, e sim, ele é incrível! Depois que cumprir sua meta, me diga o que achou! E leia Cidades de papel, ele é o segundo da minha lista de favoritos dos livros do John. HUAHUAHUAHUA
    Obrigada pela visita!

    ResponderExcluir

 
Layout feito por Adália Sá | Não retire os créditos